21 março 2008

Poeminha Amoroso



Este é um poema de amor
tão meigo, tão terno, tão teu...
É uma oferenda aos teus momentos
de luta e de brisa e de céu...
E eu,
quero te servir a poesia
numa concha azul do mar
ou numa cesta de flores do campo.
Talvez tu possas entender o meu amor.
Mas se isso não acontecer,
não importa.
Já está declarado e estampado
nas linhas e entrelinhas
deste pequeno poema,
o verso;
o tão famoso e inesperado verso que
te deixará pasmo, surpreso, perplexo...
eu te amo, perdoa-me, eu te amo...

Cora Coralina

3 comentários:

Marilac disse...

Carol,
Esse poema é de uma ternura incrivel...
Uma das mais belas declarações de amor que já li.

"quero te servir a poesia
numa concha azul do mar
ou numa cesta de flores do campo..."

Lindo!!! lindo!!!


Bjs
Feliz Páscoa e boas férias !!!
Marilac

obs: e essa janela que se abre para o mar é linda.

NanaTerê disse...

Querida....
To num corre lascado... por isso to meio ausente.
Passei aqui pra te desejar uma Pascoa recheada de inovações e surpresas... Renove sempre!!
Um beijo
NanaTerê

adelaide amorim disse...

Que doçura, Carol
Tive uma idéia que já devia ter tido antes: o Carlito Azevedo dá uma oficina de poesia no estação das letras pertinho de você. Topa ir lá num desses dias? Se vc quiser, te mando um email com os detalhes.
Beijo