By Drika - http://www.coisinhasbydrika.blogger.com.br -->

13 junho 2012

CORAÇÃO




Algumas pessoas vendem o sangue. Você vende o coração.
Era isso ou a alma.
O difícil é tirar a porcaria lá de dentro.
Uma espécie de torção, como tirar da concha uma ostra,
... sua coluna um punho,
e então, upa! ei-lo em sua boca.
Você se vira parcialmente do avesso
como uma anêmona do mar tossindo uma pedra.
Há um chape curto, o ruído alto
de entranhas de peixe caindo num balde,
e lá está ele, um imenso coágulo brilhante vermelho-escuro
do passado ainda vivo, inteiro no prato.

Passam-no ao redor. É escorregadio. Derrubam-no,
mas também o experimentam. Áspero demais, um diz. Salgado demais.
Azedo demais, diz outro, fazendo careta.
Cada um é um gourmet momentâneo,
e você fica ali ouvindo tudo isso
no canto, como um garçom recém-contratado,
a mão reservada e competente na ferida escondida
no fundo da camisa e do peito,
timidamente, sem coração.

Poema de Margaret Atwood - Tradução de Adriana Lisboa

Publicado na RISCO, Página de Poesia editada por Carlito Azevedo

2 Comentários:

Às 10 setembro, 2012 13:28 , Blogger Marilac disse...

Carol,
Surreal e ao mesmo tempo tão nitida a descrição que cheguei a sentir a dor no peito como se fora meu o coração arrancando.

Versos que deixam uma série de indagações no ar:

- E agora sem coração como será?
- que novas emoções o coração irá sentir em novo peito

abraços
Marilac

 
Às 02 fevereiro, 2013 01:54 , Blogger SonhadoreS disse...

Lindo texto!
Adorei seu blog... Voltarei mais vezes! Aproveito para convidar para visitar o meu http://sempre-sonhadores.blogspot.com.br/ Espero que goste! Obrigada!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Início