22 agosto 2010

Preciosidade

Fotografia: ©Carol Timm


Um dia desses, pertinho daqui, enviei um e-mail para uma pessoa querida com a intenção de parabenizá-la pelo seu aniversário. Escrevi na mensagem que, talvez um pouco mais do que nos outros dias, eu celebrava a oportunidade preciosa do seu nascimento e que também para a minha vida a vida dela fazia uma diferença linda no mundo. Escrevi sem esquecer que a vida, a nossa e a alheia, pode ser comemorada a todo instante, não importa a data que o calendário diga, nem a hora que os ponteiros marquem. Não só pode como deve. O que acontece é que muitas vezes no aniversário a gente costuma criar um espaço maior na correria para festejar o que, de verdade, merece ser festejado diariamente no coração.


Tem gente que entra na nossa vida de forma providencial e se encaixa naquela história que gosto de imaginar: surpresas que Deus embrulha pra presente e nos envia no anonimato. Surpresas que só sabemos de onde vêm porque chegam com o cheiro dele no papel. Acho maravilhoso perceber o quanto algumas vidas interagem com a nossa de um jeito tão mágico e bonito. Os milagres existem para quem tem olhos que sabem ver a sabedoria e a ludicidade amorosa próprias do que é divino. Do que transcende. Do que escapole da nossa lógica tantas vezes sem coração. Todo encontro que verdadeiramente nos toca é uma espécie de milagre num mundo de bilhões de seres humanos. Algumas pessoas a gente nem imaginava que existiam, mas, meu Deus, que agrado bom é para a alma descobrir que vivem. Que estão por aqui conosco. Pessoas que fazem muita diferença na nossa jornada, com as quais trocamos figurinhas raras para o nosso álbum.


Nós também fazemos diferença para muita gente. Não estamos isolados nos nossos corpos como muitas vezes sentimos ou, por medo, talvez preferíssemos. Nossos gestos afetam outras tantas pessoas, conhecidas ou não. Fazemos parte de uma rede tecida por fios sutis de interdependência. Agora, neste instante, existem vidas sendo tocadas, de formas até inimagináveis, pela sua, pela minha. Toda vida é muita vida: ela e tudo o que abraça com os seus longos braços de energia. Se fazemos diferença, que seja com amor. É ele, sempre ele, que faz a diferença mais linda.

©Ana Jácomo
Texto do lindo blog: Cheiro de Flor quando Ri


Dedido este post à querida amiga Adelaide que faz aniversário HOJE!!

2 comentários:

dade amorim disse...

Obrigada, Carol!
Por tabela, agradeci também à Ana, autora do texto. Foi bom, assim conheci o blog dela. Uma pessoa bem espiritualizada, a Ana, e parecida com você quando escreve.

Beijo beijo

* Felicidade Clandestina disse...

Só de olhar o título, sabia que era de Ana :)


Gosto demais dessa suavidade...

Beijos moça =)